quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Sótão

Lyn Cook
Por interstícios das malas abertas de quando éramos
crianças gritam as bocas sem nenhum eco
das bonecas. Criaturas fictícias, escalpelizadas
e sem tintas, de ventre oco. Mas o mortal
lugar do coração está ainda a palpitar.
O bojo do peito de celuloide, como o meu,
pede-nos perdão pela saudade que nos devora.

Fiama Hasse Pais Brandão (1938-2007)

Nenhum comentário: