terça-feira, 30 de novembro de 2010

“O homem não deve poder ver a sua própria cara. Isso é o que há de mais terrível. A natureza deu-lhe o dom de não a poder ver, assim como de não poder fitar os seus próprios olhos.
Só na água dos rios e dos lagos ele podia fitar seu rosto. E a postura, mesmo, que tinha de tomar, era simbólica. Tinha de se curvar, de se baixar para cometer a ignomínia de se ver.
O criador do espelho envenenou a alma humana”.
Livro do Desassossego – "Reflexões sobre a arte"
Bernardo Soares
(heterônimo de Fernando Pessoa).

Nenhum comentário: