sábado, 21 de agosto de 2010

A meu favor
Tenho o verde secreto dos teus olhos
Algumas palavras de ódio algumas palavras de amor
O tapete que vai partir para o infinito
Esta noite ou uma noite qualquer.
A meu favor
As paredes que insultam devagar
Certo refúgio acima do murmúrio
Que da vida corrente teime em vir
O barco escondido pela folhagem
O jardim onde a aventura recomeça.

Alexandre O'Neill, poeta surrealista português
(Lisboa, 19 de Dezembro de 1924 - 21 de Agosto de 1986)

Nenhum comentário: