sexta-feira, 27 de julho de 2012

Alphonse Mucha - Memory of Ivancice
Renuncio às palavras e às explicações.
Ando pelos contornos,
onde todos os significados são sutis, são mortais.
Não quero perder o momento belo.
Quero vivê-lo mais, com a intensidade que exige a vida:
desgarramento e fulguração.
Então me corto ao meio e me solto de mim:
a que se prende e a que voa,
a que vive e a que se inventa.
Duplo coração:
a que se contempla e a que nunca se entende,
a que viaja sem saber se chega
- mas não desiste jamais.

Lya Luft

Nenhum comentário: