quinta-feira, 5 de julho de 2012


“Ergo-me da cadeira com um esforço monstruoso,
mas tenho a impressão de que levo a cadeira comigo,
e que é mais pesada,

porque é a cadeira do subjetivismo”.
Fernando Pessoa (1888-1935)
“Quem sou eu para mim?
Só uma sensação minha.
O meu coração esvazia-se sem querer,
como um balde roto. Pensar? Sentir?
Como tudo cansa se é uma coisa definida”.

Fernando Pessoa (1888-1935)


Nenhum comentário: