sexta-feira, 15 de abril de 2011

Ah! Essas esculturas de gaze do vento,
Sempre errantes entre o céu e a terra,
Como nos sonhos dos homens.

Mario Quintana (1906-1994)

Nenhum comentário: