sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Descoberto o primeiro exoplaneta habitável - Gliese 581 g
Concepção artística de como seria a superfície de um dos exoplanetas orbitando a estrela anã.
O astro poderá ser o primeiro candidato para uma futura colonização humana. O exoplaneta se encontra exatamente no meio da "zona habitável" de uma estrela anã, região onde há condições naturais para que água líquida se forme.
De acordo com o artigo encaminhado para o periódico Astrophysical Journal, o exoplaneta se encontra exatamente no meio da "zona habitável" da estrela anã Gliese 581, uma região onde há condições naturais para que água líquida se forme na superfície do planeta. Se confirmado, o exoplaneta será o mais parecido com a Terra já encontrado e o primeiro candidato a uma possível colonização. Outros dois exoplanetas na zona habitável do sistema da estrela anã Gliese 581 já foram encontrados. Contudo, eles se encontram nas extremidades, onde a temperatura é muito fria ou muito quente.
Para que um planeta seja potencialmente habitável, ele precisa dar condições para a formação da vida como conhecemos, não necessariamente um lugar agradável para se viver. Muitos fatores influenciam se um planeta será habitável ou não, mas a água líquida e a existência de uma atmosfera estão entre as características mais importantes, segundo os astrônomos.
O exoplaneta foi encontrado depois de observações que duraram 11 anos, utilizando uma mistura de técnicas avançadas e telescópios convencionais. A equipe descobriu mais dois exoplanetas orbitando em volta da Gliese 581, colocando o sistema no topo da lista dos mais populosos, ao lado do nosso sistema solar, com seis planetas.
Os cientistas acreditam que o número de exoplanetas potencialmente habitáveis na Via Láctea pode chegar a 20%, dada a facilidade com que Gliese 581g foi descoberto. Se fossem raros, dizem os astrônomos, eles não teriam encontrado um tão rápido e tão próximo. No entanto, ainda vai demorar muito até que o homem consiga sair da Terra e comece a colonizar outros planetas fora do sistema solar.

Nenhum comentário: