sábado, 10 de dezembro de 2011

John William Inchbold - The Lake
Costumava nadar em um lago que tinha perto de casa.
Nadar não é bem a palavra certa,
pois nem nadar sabia direito.
Lembra nitidamente do lago.
Uma tábua que dava para atravessar
de um lado para o outro e muitas árvores ao redor.
O lugar era até perigoso de se ficar, mas isso
nem passava pela sua cabeça e nem
pela cabeça das outras crianças que iam lá brincar.
O lago não era mar, mas era bom
de ficar dentro dele até enrugar os pés e fingir
ser peixinho de lago do meio do mato.
Equilibrar-se em cima da tábua até cair. vuuuuuuaaaa
Roxo nas pernas e joelhos machucados
era normal devido aos escorregões.
Mas relógio do tempo passou tão ligeiro
menina deixou o lago e foi para longe.
Ah, será que lago do mato secou e morreu?
Ou ainda guarda pernas sapecas de meninas que sonham
com pedras e sapos de beira de lagos?

Lou Witt

Nenhum comentário: