domingo, 25 de setembro de 2011

No seu jardim feito de tinta...
com insólita serenidade
o poeta percorre as áleas da memória
e caminhando por entre signos
contempla a distração nula do tempo
o paradoxo incrível do ser
a ferida íntima da alma.

Ana Hatherly

Um comentário:

Dione Cristina Coppi Eller disse...

Boa-tarde,Maria, infelizmente não conheço Candeias Nunes, confesso que fiquei curiosa para conhecer sua poesia.

Parabéns pelo teu espaço...bj