terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Galileu Galilei

Galileu Galilei (Pisa, 15 de fevereiro de 1564-Florença, 8 de janeiro de 1642) foi um físico, matemático, astrônomo e filósofo italiano que teve um papel preponderante na chamada revolução científica.
Estudou medicina na Universidade de Pisa, mas se interessava mais pela matemática, física e astronomia. Em 1592, tornou-se professor de matemática na Universidade de Pádua. Desde cedo passou a defender a teoria heliocêntrica de Copérnico. Em junho de 1609 construiu uma luneta seguindo as informações que recebera sobre um desses instrumentos feito por um holandês. Depois de várias melhorias, conseguiu construir uma luneta com aumento de 30 vezes e passou a observar sistematicamente o céu. Em Janeiro de 1610 observou os quatro satélites de Júpiter hoje chamados de "galileanos". Publicou essas observações salientando que contrariavam o sistema de Ptolomeu, pois mostravam a existência de corpos que giravam em torno de outro astro que não a Terra. Em dezembro desse mesmo ano observou que Vênus apresenta fases como a Lua, provando que esse planeta orbita em torno do Sol. A insistência de Galileu em defender o sistema de Copérnico e seu costume de publicar seus resultados em italiano, tornando-os acessíveis a todos, atraiu a ira da inquisição. Em 1611, o livro de Copérnico foi incluído no Index dos livros proibidos. Em abril de 1630, Galileu publicou seu livro "Sobre os dois maiores sistemas do mundo", onde defende abertamente o sistema heliocêntrico e apresenta as evidências que acumulara com suas observações astronômicas. Apesar do papa Urbano VIII ser seu amigo, Galileu foi intimado pela inquisição a comparecer a um julgamento público em Roma. Lá, foi obrigado a abjurar suas crenças e declarar arrependimento, a fim de evitar a morte na fogueira como herege. Galileu fez sua declaração e foi sentenciado a prisão domiciliar, que teve de cumprir até sua morte, já totalmente cego, em 8 de Janeiro de 1642. Além de seu trabalho em astronomia, Galileu é reverenciado por suas contribuições fundamentais à ciência da mecânica, tendo demonstrado que os corpos caem com a mesma aceleração, independente de suas massas. Seus resultados foram publicados clandestinamente na Holanda em seu livro "Sobre duas novas ciências", já que a sentença incluía uma proibição de publicar livros. Esse livro trata das oscilações dos pêndulos, da coesão dos sólidos, dos movimento uniforme e acelerado e da forma parabólica da trajetórias dos projéteis.
A Igreja Católica por décadas declarou guerra abertamente contra a ciência. Em nome da fé e supostamente da revelação divina, abriram fogo contra o progresso e o avanço das ciências naturais. Foi somente com o Renascimento, e seu filho do meio a Reforma Protestante que a ciência finalmente consegui um espaço para respirar e o crescimento tecnológico finalmente disparou, entretanto hoje, para espanto dos reformadores, são justamente os protestantes que querem jogar Galileu na fogueira.
Ultimamente tenho percebido perplexa a atitude hostil de muitos crentes com o avanço técnico-científico. Não basta a ignorância que paira sobre o meio religioso e o baixo nível de escolaridade que é predominante nas massas. Percebo no evangelicalismo popular certa aversão às ciências exatas. A física e a matemática beiram a heresia a engenharia então, deve ser pecado capital. Outros um pouco menos avesso à tecnologia procura com afinco encontrar na bíblia dados científicos como o número PI e indícios de que a terra seja redonda, me pergunto se esses pulariam de um edifício por não encontrarem no cânon a equação da gravitação universal de Newton?

Fonte: Café com pão e discussão.

Nenhum comentário: