sábado, 26 de junho de 2010

Ramsés II
John David Parrish
Entre o Divino e o Terreno
Ramsés II foi o terceiro faraó da XIX dinastia egípcia, uma das dinastias que compõem o Novo Império. Reinou entre aproximadamente 1279 a.C. e 1213 a.C.
O seu reinado foi possivelmente o mais prestigioso da história egípcia tanto no aspecto econômico, administrativo, cultural e militar. Também um dos mais longos reinados da história egípcia.
Aos dez anos Ramsés recebeu o título de "filho primogénito do rei", o que correspondia a ser declarado como herdeiro do trono. O seu pai introduziu-o no mundo das campanhas militares quando era ainda um adolescente, tendo Ramsés acompanhado o seu pai em campanhas contra os Líbios e em campanhas na Palestina.
Quando jovem (20 anos), casou-se com Nefertari, a mais importante e célebre das várias esposas que Ramsés teve na sua vida, tendo sido a grande esposa real até à sua morte.
O primeiro filho deles chamava-se Amun-her-khepeshef e nasceu antes que Ramsés II subisse ao trono.
Quando jovem participava ativamente do exercito nas campanhas de seu pai, e fora nomeado seu sucessor.
Era uma época de milagres, maldições, de deuses e homens que acreditavam ser deuses. E de um jovem guerreiro do mais poderoso império do mundo, o homem que desafiou o Deus dos hebreus, Ramsés O Grande.
Segundo a Bíblia seu amado primogênito foi morto na última e mais terrível de Dez Pragas, uma praga que obrigou o faraó a libertar seus escravos hebreus e seu líder Moisés, dando início para a longa jornada conhecida como Êxodo. Um egiptólogo acredita ter encontrado no Vale dos Reis o crânio do primogênito de Ramsés.
A ciência forense analisou as questões:
1. Seu primogênito foi realmente morto na última maldição de Deus para que ele liberasse os judeus do cativeiro no Egito.
2. Qual a idade dele quanto morreu?
Muitos arqueólogos não acreditam que o êxodo ocorreu, porque os egípcios não deixaram nada escrito. Vá ate o maior complexo de tempos já feito, Karnac, e conheça a história da batalha de Kadesh (para Ramsés uma das maiores batalhas vencidas pelo Egito, mas outro tratado diz que houve empate). Deste modo nunca será encontrada nada do êxodo pois está foi uma batalha perdida e Ramsés não ia deixar nada nem ninguém saber disto.
Voltamos ao êxodo bíblico. Ramsés II após as 10 pragas manda os judeus irem embora, mas seu filho muda de ideia e da cidade de Pi Rameses saem carroças que vão atrás dos judeus. Deus manda uma rajada de fogo que bloqueia o caminho. Os judeus estão presos entre este fogo e o mar vermelho. Moisés, no seu gesto mais famoso, estende sua mão e abre o mar para os judeus passarem. Quando o último atravessa, a coluna de fogo some e os egípcios entram no mar, mas este se fecha e eles morrem.
Na história bíblica, Ramsés é quem persegue os judeus, mas ele era muito velho de acordo com estudo e isto torna-se improvável.
No crânio encontrado está uma marca que pode sugerir algumas coisas, como:
• a queda de uma biga;
• assassinado no harém do pai;
• ou morrido com um golpe na cabeça no campo de batalha (a + provável).
Isto significa que sua morte não foi igual a descrita no êxodo. O que ocorreu então?

Pode ter sido erro de tradução: mão foram 600.000 hebreus libertados no Exodo, mas poucos milhares e Mar Vermelho quer dizer na verdade mar-de-junco, que é na verdade um pântano.
Outros 2 erros: Moisés não tinha 80 anos, mas era jovem e o exército hebreu não estava tão indefeso. Como o mar-de-junco era um pântano, as bigas atolaram e os hebreus mataram todos, inclusive Amun-re-Kepechek.
Ramsés então cria a metáfora da 10ª praga para ocultar esta história!!!

Nenhum comentário: